sexta-feira, 6 de junho de 2014

Adeus fofinha!



Olá amigos e amigas da Nucha.
Desta vez não trago boas novidades. A Nucha piorou bastante e de forma muito rápida desde o fim-de-semana. As medicações foram ajustadas para tentar melhorar o seu estado, mas a doença neurológica progrediu. Não quero particularizar sintomas, descrever estados, registar momentos dolorosos nem explicar-vos como foi cada dia destas semanas. Simplesmente dir-vos-ei que os momentos bons eram poucos e os menos bons muitos, e que a previsão de um balanço cada vez pior entre os dois era o que havia à nossa frente até que a Nucha deixasse de ser ela totalmente.Tomei pois a decisão mais difícil que "as mães" têm de tomar. Depois de um momento a sós  entre a Nucha e o Gabriel, levei-a ao colo para o carro e  aconcheguei a nossa "fofinha" para a sua viagem.

A Nucha (que tinha dezassete anos e oito meses) partiu, ontem, pouco antes das vinte horas, repousando a sua cabecinha de raposinha no meu braço, num sono profundo e tranquilo, sem dores nem sobressaltos, acompanhada da veterinária que a seguira e de uma enfermeira, num ambiente muito doce e pacífico. Mais tarde, ainda ontem à noite, precisei de sair no fim do jantar, faltava algo na rotina e fui  percorrer o caminho que fazia com a minha amiguinha peluda, que deixara os meus braços havia algumas horas.

A noite era de estrelas - estranho, pois previam chuva para essa noite e dia seguinte - e enquanto algumas lágrimas apareciam e caíam no chão, os meus pensamentos vagueavam. Creio que os cães vêm até às nossas vidas com um propósito, cumprem a sua missão e partem. Meu filho questionara-me em tempos  sobre essa missão. Disse-lhe que cada um de nós saberia, no momento ou mais tarde, reconhecê-la, mas que eles a cumpriam sempre, disso não tinha dúvidas. E senti-me mais apaziguada por ter podido viver com a Nucha um pedaço da minha vida, por ela "ter esperado" por nós na APPAFF aqueles dez  anos e ter vindo connosco  no dia 8 de setembro de 2012.

Obrigada, Nucha, "minha velhota", por tudo o que me deste, por tudo o que me deixaste dar-te e assim me fizeste receber (pelo menos) em dobro.

video

(Imagens de sábado passado)



14 comentários:

  1. Clara, sinto muito!!!

    Estou lendo e não consigo evitar as lágrimas!!

    Você e seu pequeno Gabriel são pessoas especiais...amaram a "velhota", cuidando, fazendo tudo por ela.

    Que o nosso Deus conforte o coração de vocês!

    Nucha, completou o seu ciclo de vida aqui, da melhor forma possível, adotada quando já idosinha, amada incondicionalmente...ahhh... agora uma linda estrelinha, que ama muito vocês também!

    Fiquem bem,

    beijinhos,

    Lígia e =^.^=

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada pelas vossas palavras carinhosas .

      Eliminar
  2. Clara, faço minhas as palavras da Lígia, mesmo porque estou embargada e em lágrimas...
    Fique com meu abraço de carinho e grande admiração.

    ResponderEliminar
  3. Clarinha,
    Nas ultimas fotos, já se percebia que a Nucha estava diferente. Os olhitos outrora vivos, estavam agora mais fechados e sem alegria. Notava-se um ar cansado, uma postura alterada. Era uma velhota muito ladina, mas entretanto a doença veio e venceu-a.
    Afeiçoámo-nos sem darmos por isso, e agora sentimos pena. É natural, se entendêssemos o facto como banal, não seríamos nós.
    Viveu acarinhada nestes últimos tempos, foi sempre apoiada na doença, e partiu sem sofrimento.
    De consciência tranquila, tu acabarás por aceitar o inevitável.
    Um beijinho, da mamã.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, a vida tem o seu ciclo e temos de o aceitar e acompanhar.O momento é sempre difícil. Da serenidade do momento da partida na Clínica, quando tudo "está certo" e temos a paz porque vemos a amiguinha em sossego, passa-se para o exterior, para os espaços antes ocupados pelas patinhas...e essa viagem agora é nossa e é a fazê-la que, sim, com mais ou menos lágrimas, farei o que falta do luto, que se impõe e que sara. beijinhos agardecidos

      Eliminar
  4. As lágrimas escorrem-me pela cara abaixo, habituei-me a esta raposinha que vocês tão altruisticamente adotaram e que também já sentia um pouco minha...

    Tenho a certeza de que foi o melhor que fizeram, que agora está com a minha Twiggy a olhar por nós, mas dói muito. Como me disseram no dia 13.08.12, quando tive de tomar a mesma decisão, este é o último, o mais difícil e o maior gesto de amor que podemos ter pelos nossos amiguinhos.

    Hoje vou acender uma velinha por ela...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Grata pela luz acesa e pela partilha do momento.
      " O caminho faz-se caminhando" e assim será. Para mim e para todos. beijo grato

      Eliminar
  5. Que notícia mais triste! Eu achei que a Nucha ainda ia viver muito tempo mas o importante foi que ela teve muito amor e cuidados nos últimos anos de sua longa vida. Espero que ela tenha deixado muitas lembranças lindas com esta família maravilhosa e que o Gabriel a guarde sempre no coração.
    Fiquem em paz!
    Beijos
    Laís e Pink

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Grata pelas boas palavras.
      Quem parte deixa-nos sempre partes de si que vivem connosco e assim caminhamos mais acompanhados...Sim, a Nucha deixou-nos boas e engraçadas lembranças...o tempo colocará as emoções no lugar e seguiremos mais ricos.
      Os patudos são anjos que nos emprestam bocados de céu enquanto aqui estão connosco!

      beijinhos

      Eliminar
  6. Isto de ler blogs de animais é maravilhoso mas depois tem o reverso da medalha...aquele animal passa a ser um bocadinho "nosso" também, já que lhe conhecemos um pouco da história. E quando partem, sentimos isso mesmo, como se fosse também "nosso"... Não consegui ler o post todo, nem metade...também o meu velhote partiu há pouco mais de uma mês e toda eu sou pedaços... Fico feliz pelos últimos anos da Nucha serem passados rodeados de carinho, amor e cuidados e feliz por tê-los partilhado convosco através do blog. Um beijinho e abracinho apertado aí para casa **

    ResponderEliminar

  7. O caminho continua e todos os momentos são enriquecedores.
    Estamos ligados nesta sintonia virtual e real pelos bons valores da vida, em toda a sua plenitude, em toda a sua variedade e diversidade.
    Grata pelo abracinho - soube muito bem. Retribuo.

    ResponderEliminar
  8. Bem hajam por terem proporcionado à Nucha tanta felicidade nos seus dois últimos anos de vida!

    ResponderEliminar
  9. Só agora vi este post... não fazia ideia. Descansa em paz Nucha! Os animais dão-nos tanta alegria, tantos sorrisos... tantas lágrimas... mas vale tudo a pena. Parabéns por terem acolhido a Nucha e lhe terem dado a melhor velhice possível. Beijinhos

    ResponderEliminar

Decerto teremos mais novidades da Nucha quando regressar a este blogue para nos visitar! Até lá, e, se puder, apoie e promova a causa da adopção de animais abandonados!